Nigéria defende que as redes sociais devem se registar no país para continuar as operações - MenosFios
Logotipo oficial do MenosFios

Uma semana após a Nigéria suspender indefinidamente o Twitter, o governo federal nigeriano disse que qualquer gigante da mídia social, incluindo Facebook e outros deve se registrar no país para continuar a fazer negócios e operar sem obstáculos. Os usuários que acessarem o Twitter contra a proibição serão processados, alertou o governo na quarta-feira.

Lai Mohammed, ministro da Informação e Cultura, também revelou que o Twitter entrou em contacto com o governo nigeriano para iniciar “discussões de alto nível” a fim de voltar a operar legalmente no país.

O Ministro divulgou esta informação após a reunião semanal do Conselho Executivo Federal em Abuja. Mohammed disse que o Twitter fez contacto na quarta-feira, 9 de junho, mas reiterou que o serviço foi suspenso porque “fornecia um caminho para as pessoas que ameaçavam a existência corporativa da Nigéria”.

Mohammed afirmou que Jack Dorsey, o dono do Twitter, ajudou a financiar os recentes protestos #EndSARS e também está a permitir que o líder do agora ilegal grupo político do Povo Indígena de Biafra (IPOB), Nnamdi Kanu, use a plataforma para pedir os assassinatos de agentes de segurança.

“Descobrimos que o Twitter é na verdade a plataforma de escolha de um determinado líder separatista que reside fora do país e emite directrizes para os seus membros atacarem símbolos de autoridade governamental, como polícia, forças armadas, gabinetes de comissões eleitorais, centros correcionais, etc. . E isso está a ser feito de forma intencional e consistente, sem quaisquer consequências do Twitter ”, diz Mohammed.

O ministro listou várias condições que o Twitter deve agora cumprir para ser reintegrado na Nigéria, incluindo que agora deve ser registrado na National Broadcasting Commission (NBC) como uma empresa. O governo nigeriano afirma que a liberdade de expressão não foi sufocada pela proibição do Twitter, observando que plataformas como Facebook e Instagram ainda podem ser usadas com facilidade.