BAD lança iniciativa de dados digitais para capacitar negócios angolanos - MenosFios
Logotipo oficial do MenosFios

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) lançou o projeto Avaliação, Supervisão, Monitorização e Avaliação Remota (RASME) em Angola, após uma sessão de formação de três dias na capital, Luanda.

O RASME é um conjunto de ferramentas e processos de coleta de dados digitais em tempo real que, segundo a instituição financeira, permite que os seus clientes e parceiros de desenvolvimento preparem melhor os projetos, relatem o progresso e avaliem o impacto de forma aberta e transparente.

A iniciativa foi lançada em novembro pela Dra. Rossana Silva, chefe do Departamento de Cooperação Económica Internacional do Ministério das Finanças de Angola, e pelo Country Manager do Grupo Banco Africano de Desenvolvimento para Angola, Pietro Toigo.

“Garantir relatórios abertos e transparentes das nossas iniciativas de desenvolvimento é fundamental para a nossa missão. O RASME é um reforço importante da nossa capacidade para o fazer,” disse Rossana Silva.

“Acredito que este projeto pode melhorar significativamente a recolha de dados que usamos para avaliar a eficácia do nosso trabalho de desenvolvimento aqui em Angola. É significativo que estejamos a lançar o RASME em parceria com o Governo da República de Angola,” disse Tiogo.

O AfDB está a ajudar a implantar o RASME em parceria com a equipa da iniciativa Geoenabling para Monitoramento e Supervisão (GEMS) do Banco Mundial – Fragilidade, Conflito e Violência (FCV) e a fundação KoBoToolbox.

O conjunto de ferramentas de coleta de dados digitais usado para o projeto RASME é baseado na plataforma KoBoToolbox, uma solução de TIC de código aberto desenvolvida por pesquisadores afiliados à Harvard Humanitarian Initiative.

A RASME está atualmente operacional em 14 países em toda a África. O esquema vai aumentar a coleta de dados relacionados a projetos em áreas inacessíveis ou remotas, inclusive aquelas com desafios logísticos e de segurança, melhorar assim o monitoramento e a avaliação dos projetos de desenvolvimento do Banco.

O AfDB disse que é especialmente relevante no contexto da crise do COVID-19 e em zonas com instabilidade, insegurança e problemas logísticos. Em abril deste ano, a organização financeira reservou um investimento de capital de €9,8 milhões para apoiar investimentos de capital de risco em startups africanas, desde a semente até os estágios de crescimento.