Angola vai ganhar uma nova plataforma de transferências móveis instantâneas - MenosFios
Logotipo oficial do MenosFios
Close up of a modern mobile phone used by an afro american young man

Angola vai contar com uma nova plataforma de interoperabilidade do sistema de transferências móveis instantâneas, denominada “Kwik”, com previsão de arranque em janeiro de 2023.

O anúncio foi feito pelo Banco Nacional de Angola (BNA), no  XI Fórum Banca sobre a Transformação Digital dos Serviços Financeiros, onde frisou que a plataforma vai ser gerida pela Empresa Interbancária de Serviços (EMIS), onde a mesma vem com o objetivo de permitir que os clientes dos vários prestadores de serviços de pagamento possam fazer transações entre si, ou seja, uma interação com usuários que não tenham a mesma aplicação.

Segundo Rui Miguêns, vice-governador do BNA, com a “Kwik”  pretendem-se que  haja maior  níveis de integração nos  sistemas  de pagamentos que  estão a ser desenvolvido fora do sistema  bancário no país.

Ainda no seu discurso, o gestor ressaltou as grandes valências do Laboratório de Inovação do Sistema de Pagamentos de Angola ( LISPA), uma incubadora para o desenvolvimento de fintechs e outras startups não relacionadas com o sistema financeiro.

MAIS: Cartões multicaixas com chip são a maioria no mercado angolano

Foi ainda revelado que desde 2019, a principal instituição bancária angolana já recebeu mais de 602 candidaturas para os diversos programas, na sua maioria criados por estudantes universitários.

Foi ainda destaque na apresentação a Sandbox, lançado em setembro último, e que permite os criadores de startups fintechs, insurtechs e outras entidades do país possam testar os seus produtos e serviços financeiros no mercado, num ambiente supervisionado pelo BNA, durante um determinado período.

Por fim, o vice-governador do BNA destacou a introdução de soluções de “Open Banking”, oficialmente iniciadas com a aprovação, em outubro deste ano, pelo Comité Executivo do Banco Central. Desta iniciativa do “Open Banking”, o BNA diz estar a dar passos, envolvendo  equipas da EMIS e bancos comerciais.​